quarta-feira, 29 de agosto de 2012


A vida sem pontuação
Ricardo Wardil*

Todos estão dizendo: “o tempo está passando tão depressa!”, “sinto que foi ontem”. O Deus Cronos resolveu acelerar o relógio da terra ou do coração? “Dizem” (é o nome de um senhor que todos conhecem e que ninguém sabe quem é, e que sabe de tudo) que a velocidade de rotação da Terra acelerou não o suficiente para afetar tanto assim. Então é o relógio do coração que está acelerado. Mas o que está acontecendo?

Comecei a observar as pessoas e fui percebendo que se esqueceram de pontuar a vida. Aquelas regrinhas básicas que aprendemos na escola, mas que a sobrevivência se incumbiu de jogá-la para fora do trem da vida.

As pessoas saem do trabalho e se esquecem do ponto final e leva para casa todo o trabalho na mente, que se mistura com as compras do lanche, as conversas familiares e se estende até a noite. E o sono não vem, porque a mente agitada não deu ponto final em cada afazer. Quando dorme continua no sono até o despertar. Não houve fim, logo não tem inicio.

No automatismo da vida os sentidos amortecidos esqueceram o ponto de exclamação. Perdeu-se a entonação do regozijo, da surpresa, do belo. As indignações se calam diante da impotência. Os medos velados afastam as pessoas pela desconfiança e a negação diante da impossibilidade da exclamação eliminou a interrogação: Qual o significado da vida? O que estamos fazendo aqui? E talvez a pergunta primeira: “Que buscais?” (Jesus).

Respostas para estas perguntas exigem uma vida com mais vírgulas, ou seja, aquelas pequenas pausas entre uma emoção e outra, propiciadoras de reflexões que encontram novos significados. Uma vez encontrado, os ”dois pontos” abre espaço para uma elaboração e introjeção melhor do que se está percebendo para que as relações humanas se enriqueçam de novos saberes e sabores.

Nem sempre encontramos respostas e nem por isso deixamos de viver. Viver não precisa de respostas, precisa de escolhas coerentes com o final que queremos para o nosso capítulo. Para estas perguntas sem respostas, usaremos as reticências...

*Médico homeopata / Belo Horizonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário